Newsletter

Receba nossa Newsletter

Login


BEM-VINDO AO CONGRESSO PORTUGUÊS DE OBESIDADE

Recebeu os dados de acesso aquando da sua inscrição, via e-mail. Deverá efetuar o login com o e-mail e senha nele indicados. Introduza os dados e desfrute do nosso Congresso

O papel interventivo da família no comportamento alimentar das crianças

O 25.º Congresso Português de Obesidade arrancou esta manhã, 20 de novembro, com um simpósio dedicado à relação entre a Psicologia e a obesidade. A Prof.ª Doutora Lara Palmeira esteve presente na qualidade de moderadora e, em entrevista, resumiu as principais mensagens partilhadas entre os pares. Assista ao depoimento em vídeo.

Em entrevista, a especialista começa por afirmar que as famílias têm um papel “interventivo” na promoção da alimentação saudável das crianças, contribuindo na prevenção da obesidade. “Começámos por enaltecer esta necessidade de estabelecer perfis diferentes de comportamentos entre mães e crianças e como estes dão pistas importantes para a necessidade de adaptarmos as nossas intervenções”, explicou.

A palestra seguinte centrou-se no tema “Problemas alimentares e problemas emocionais e comportamentais nas crianças e adolescentes”, que, na visão da Prof.ª Lara Palmeira, “foi muito interessante” pelo seu caráter descritivo dos diferentes tipos de comportamento, “desde o picky eating à ingestão compulsiva das crianças em idades distintas”.

Além da apresentação destes dados, o simpósio foi também espaço de partilha dos “pontos de intervenção” através da preleção “Fammeal – uma intervenção em plataforma móvel dirigida a pais de crianças identificadas com sobrepeso nos cuidados de saúde primários”, sugerindo “aspetos lúdicos e de jogo” como ferramentas motivacionais para as famílias e crianças no promoção de estilos de vida saudáveis.

Já a segunda intervenção, apresentada como “O programa Triplo P Lifestyle em Grupo: resultados preliminares no comportamento alimentar das crianças”, “é uma perspetiva focalizada na família, na promoção da alimentação, do exercício físico, mas também em práticas parentais positivas”, indica a especialista, explicando que o objetivo passa por “modificar o comportamento não só da criança, mas de toda a família”.

PARTILHAR