Newsletter

Login


BEM-VINDO AO CONGRESSO PORTUGUÊS DE OBESIDADE

Recebeu os dados de acesso aquando da sua inscrição, via e-mail. Deverá efetuar o login com o e-mail e senha nele indicados. Introduza os dados e desfrute do nosso Congresso

Metade da população portuguesa tem excesso de peso. 24.º CPO reescreve a história do tratamento da obesidade em Portugal

O Congresso Português de Obesidade está a decorrer ao longo de todo o mês de novembro, tendo em foco a obesidade, doença que afeta 22,3% da população portuguesa.

De acordo com a Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), 34,8% da população portuguesa é pré-obesa. Isto significa que mais de metade da população (57,1%) está perante uma situação de obesidade/excesso de peso. Esta situação poderá ser agravada com a pandemia de COVID-19, com efeitos no sedentarismo e na alteração dos hábitos alimentares da população, que poderá ter como consequência o aumento de peso, com reflexos na saúde.

“Ainda não estamos a tratar efetivamente a obesidade como doença. E após a confirmação do diagnóstico, o foco ainda está no controlo e tratamento das suas consequências ou comorbilidades associadas como por exemplo, a diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia, apneia do sono, etc. Mas é importante que se trate a doença – que é endócrina e multifatorial, como um todo. Com um tratamento multidisciplinar que deve integrar mudanças de estilo de vida, fármacos e cirurgia, quando indicado”, afirma a presidente da SPEO, Prof.ª Doutora Paula Freitas.

A presidente da SPEO alerta também para a importância da inacessibilidade ao tratamento farmacológico da obesidade, já que os fármacos não são comparticipados, o que tem constituído um obstáculo ao tratamento da oesidade.

As inscrições para o Congresso Português da Obesidade continuam abertas aqui, onde poderá assistir a vários webinars e às conferências, com sessões em áreas como Nutrição, atividade física, Psicologia, obesidade infantil, Cirurgia, entre outros. Destaque ainda para uma abordagem ao impacto da COVID-19 na obesidade, numa perspetiva ibérica.

PARTILHAR